O que quer que tenha acontecido com o elenco de “A Girl Like Her”

O bullying tem sido uma preocupação séria quando se trata de jovens há muito tempo, e no ensino médio foi visto como possível que assédio moral pode levar as crianças a cometer suicídio, se for apenas sugerido. A Girl Like Her é um caso perfeito que mostra o quão longe as pessoas podem ser empurradas antes de quererem apenas acabar com tudo para evitar tal coisa, mesmo que o agressor em questão fosse seu melhor amigo. A pior parte é que poucas pessoas defendem aqueles que estão sendo intimidados, e aqueles que o fazem ainda não dizem nada por respeito aos desejos de seus amigos. Para o elenco e o público deste filme, este é sem dúvida um lembrete pungente de quão longe o bullying pode ir e quais podem ser os resultados finais se as pessoas decidirem ultrapassar os limites dessa maneira.

Você já se perguntou o que os membros do elenco estão fazendo agora?

Stephanie Cotton - Margerete Burns

Se Stephanie se manteve ocupada depois do filme, é difícil dizer, já que não há muito sobre ela e seus créditos no filme não parecem ter passado de 2015. É muito possível que ela tenha decidido permanecer discreta por seus próprios motivos, mas talvez vamos vê-la novamente em breve se ela decidir voltar aos holofotes.

Jimmy Bennett - Brian Slater

Jimmy teve uma carreira bastante longa e bem-sucedida até agora, desde que estrelou em filmes como The Amityville Horror ao lado de Ryan Reynolds e em Evan Todo-Poderoso com Steve Carrell. Ele continuou a fazer filmes e aparições na TV desde o filme, mas até este ponto parece ter desacelerado um pouco com sua carreira. Não se sabe neste momento se ele tem algum projeto chegando, já que a última coisa em sua filmografia é datada de 2017, mas é possível que ele esteja fazendo uma pausa e volte.

Amy Weber - Amy Gallagher

Alguns podem dizer que ela deu um grande salto ao lidar com algo como o bullying nas escolas, mas a mensagem de Amy foi alta e clara e, sem dúvida, bem recebida. Filmar este filme do ponto de vista de uma menina é bastante interessante porque há uma diferença decisiva quando se trata de bullying entre meninas e meninos. O contraste que ela mostrou no filme era tal que não se podia deixar de imaginar se um menino conseguiria suportar as pressões psicológicas que são infligidas às mulheres jovens, ou se elas as reconheceriam. Há uma enorme diferença entre meninos e meninas no que diz respeito a como eles reagem ao bullying. No entanto, até o momento, é difícil saber se Amy fez mais alguma coisa, embora não pareça assim.

Lexi Ainsworth - Jessica Burns

No que diz respeito ao cinema, Lexi não é vista desde 2015, mas ela tem sido comum em programas de TV como Teen Wolf, iZombie, Rizzoli & Isles e Major Crimes. Pode ser que ela esteja ganhando tempo para outro papel no cinema que poderia ajudá-la a se tornar a grande estrela que ela quer ser, ou pode ser que a TV se tornou seu nicho e ela se tornou confortável. De qualquer forma, parece que funcionaria para os fãs, que amam assisti-la e a acham ótima.

Hunter King - Avery Keller

Como a principal antagonista, ela era uma das piores pessoas do filme, já que era uma valentona que não possuía um único grama de arrependimento. Isso foi até que ela finalmente viu o que estava fazendo com sua ex-amiga e não aguentou mais. Desde o filme, ela participou de alguns curtas-metragens e voltou para a TV. Ela fez parte de The Young and the Restless e de outro show também.

O filme não parecia uma chance de fuga para ninguém envolvido, mas foi significativo ao mesmo tempo. O problema de ser intimidado e fazer com que eles admitam o que estão fazendo é algo que tem sido muito difundido em toda a cultura americana e mudou ao longo das gerações. Antigamente, era mais provável que um agressor e seu algoz atirassem um do outro, se fossem homens, enquanto as mulheres jovens continuariam com a mentalidade de olho por olho que raramente ou nunca viu uma solução favorável. Mas com o passar das gerações, o bullying se tornou muito mais intenso, à medida que os jovens começam a cometer suicídio para escapar da dor emocional e psicológica que isso lhes causa, não vendo outra saída a não ser acabar com tudo. Pode-se dizer que é culpa das gerações anteriores que queriam mudar as coisas e, portanto, não prepararam seus filhos bem o suficiente para lidar com o que quer que a vida ou seus semelhantes joguem sobre eles, mas parece que há muito mais nisso do que naquela.