Vídeo dos 10 melhores momentos olímpicos da equipe dos EUA

top10olimpíadas

Para os primeiros Jogos Olímpicos modernos em 1896, apenas 14 países enviaram equipes, com 14 atletas representando os Estados Unidos. Quando os Jogos deste verão começarem em 5 de agosto no Rio de Janeiro, Brasil, 206 países e mais de 10.500 atletas participarão.

Cada Olimpíada cria histórias inspiradoras. Aqui estão 10 momentos memoráveis ​​na história das Olimpíadas de verão dos EUA.

JESSE OWENS, TRACK E CAMPO

Jesse Owens competiu nos Jogos de 1936 em Berlim, Alemanha, durante o auge do regime nazista, pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial. Adolf Hitler afirmou que a raça ariana (branca) era melhor do que todas as outras. Owens provou que ele estava errado.

Em uma façanha surpreendente, ele conquistou quatro medalhas de ouro: 100 metros, 200, salto em distância e revezamento 4 × 100. Ainda mais notável, este neto de um escravo correu quatro corridas de 100 metros em dois dias e duas baterias de 200 metros consecutivas, e venceu o salto em distância no mesmo dia das eliminatórias de 200 metros.

Ele também mostrou que as Olimpíadas podem superar a política. O principal rival de Owens no salto em distância era a alemã Luz Long. Os dois lutaram para frente e para trás, cada um saltando mais longe que o outro. Quando Owens venceu, os dois se abraçaram na frente de Hitler, e Owens e Long rodaram juntos pelo estádio enquanto a multidão aplaudia.

CARL LEWIS, TRACK AND FIELD

Se Jesse Owens era o dono dos Jogos de Berlim, Los Angeles em 1984 pertencia a Carl Lewis. Considerado o maior atleta de atletismo dos EUA, Lewis duplicou as vitórias quádruplas de Owens nos 100 metros, 200, salto em distância e 4 × 100.

Quando Lewis pegou o bastão como âncora no revezamento 4 × 100, a equipe dos EUA tinha uma vantagem de cerca de 3 metros. Quando cruzou a linha de chegada, seu rival mais próximo estava 15 metros atrás. Seu tempo parcial foi de 8,94 segundos, e o tempo da equipe de 37,83 foi o único recorde mundial de atletismo estabelecido em Los Angeles.

Lewis também ganhou o salto em distância em Seul, na Coreia do Sul, em 1988 e duas medalhas de ouro no 4 × 100 e no salto em distância em Barcelona, ​​Espanha, em 1992. Em Atlanta, Geórgia, em 1996, Lewis saltou 8,5 metros no salto em distância para garantir seu nono ouro olímpico.

MARK SPITZ, NATAÇÃO

Nos Jogos de 1972 em Munique, Alemanha, Mark Spitz fez história ao levar para casa sete medalhas de ouro: 100 metros e 200 estilo livre, 100 e 200 borboleta, e uma participação nos revezamentos 4 × 100 e 4 × 200 estilo livre e o 4 × 100 medley (nadando a perna de borboleta). Ainda mais incrível, Spitz estabeleceu um recorde mundial em todas as corridas que ganhou.

Após a cerimônia de vitória do medley 4 × 100 para a equipe dos EUA, a equipe de revezamento carregou Spitz ao redor da piscina. “Aquela foto com meus companheiros de equipe me segurando bem acima deles eu gosto mais do que aquela com as sete medalhas de ouro no pescoço”, disse ele.

TEAM USA 1992, BASQUETEBOL

Uma mudança nas regras de 1989 permitiu que as equipes olímpicas de basquete incluíssem jogadores profissionais. O “Dream Team” para os Jogos de 1992 em Barcelona foi o primeiro time dos EUA composto por estrelas da NBA. Na lista: Michael Jordan, Magic Johnson, Larry Bird e Charles Barkley; centros David Robinson e Patrick Ewing; o avançado Karl Malone; os swingmen Scottie Pippen, Chris Mullen e Clyde Drexler; e o armador John Stockton.

O único amador: Christian Laettner, o melhor jogador universitário de 1991-92 e futuro All-Star da NBA.

Não foi surpresa que eles esmagaram a competição, vencendo todos os oito oponentes por uma média de 44 pontos. Os oponentes sabiam que estavam fritos, mas não se importaram. Alguns ficaram tão deslumbrados com o poder das estrelas que conseguiram que seus próprios companheiros tirassem fotos durante as partidas.

GREG LOUGANIS, MERGULHO

Paulada!Greg Louganis bateu com a cabeça no trampolim, dando uma cambalhota reversa de 2 1/2 na posição de pique em seu nono mergulho durante a rodada preliminar nos Jogos de Seul em 1988. Embora tenha conseguido sair da água, o medalhista de ouro olímpico de 1984 caiu do primeiro para o quinto lugar.

Trinta minutos depois de ter um corte de 3 polegadas rapidamente costurado, Louganis acertou seu mergulho final para se qualificar para as finais. Ele não apenas repetiu o mesmo mergulho reverso no dia seguinte, mas também ganhou o ouro trampolim por uma margem de 25 pontos e o evento de plataforma dias depois. Isso o tornou o primeiro homem a ganhar títulos de mergulho de trampolim e plataforma em jogos sucessivos.

Por sua coragem, Louganis recebeu o prêmio Olympic Spirit.

AL OERTER, TRACK AND FIELD

Al Oerter já tinha duas vezes a medalha de ouro olímpica em disco quando foi para Tóquio, Japão, em 1964. Seis dias antes da final enquanto praticava, Oerter rompeu um músculo de uma costela e beliscou um nervo em seu pescoço. Os médicos disseram que era o fim de sua carreira.

Mas esta foi a Olimpíada. Bloqueando a dor durante as finais, ele removeu a cinta de pescoço para o lance final e estabeleceu um recorde olímpico.

Em 1968, Oerter foi informado de que estava muito velho para competir, mas ele chegou aos Jogos na Cidade do México. Seu terceiro e último arremesso atingiu 212 pés e 6 polegadas, um recorde olímpico e 5 pés mais longe do que Oerter já havia lançado antes. Nenhum outro atleta ganhou quatro medalhas de ouro consecutivas no disco.

KERRI STRUG, GYMNASTICS

Exceto pelo boicote em 1984, as ginastas da União Soviética conquistaram o ouro por equipes em todos os Jogos desde 1948. Em seguida, veio a equipe dos EUA em Atlanta em 1996. Elas estavam em primeiro lugar depois de três eventos. Falta um: o cofre.

Kerri Strug foi a última americana. Sua companheira de equipe, Dominique Moceanu, caiu de costas em ambos os cofres. Strug disparou pela pista, dando cambalhotas e girando no ar. Ela pousou e sentiu o tornozelo esquerdo estalar. Ela tinha rompido dois ligamentos.

Não houve tempo para saber se sua pontuação de 9,162 era suficiente para se agarrar ao ouro. Os competidores têm duas tentativas no salto e o melhor conta. O treinador Bela Karolyi perguntou a Strug se ela poderia saltar novamente. “Eu farei isso, eu farei, eu farei,” ela respondeu.

Ela correu, capotou e caiu sobre os dois pés. Ela pulou em uma perna apenas o tempo suficiente para saudar os juízes. Sua pontuação: uma medalha de ouro 9,712. Na cerimônia de premiação, Karolyi levou Strug triunfante ao pódio. O salto seria seu último como uma ginasta competitiva.

RULON GARDNER, WRESTLING

Rulon Gardner não teve chance. Em Sydney, Austrália, em 2000, o fazendeiro de Wyoming enfrentou o lutador russo Aleksandr Karelin na luta pela medalha de ouro do superpesado greco-romano.

Karelin tinha três medalhas de ouro olímpicas e nove títulos mundiais, e não perdia uma partida há 15 anos. Mas não importa o que Karelin tentou - puxões, tapas na cabeça ou agarrando Gardner de 54 polegadas
peito - Gardner resistiu.

Quando a prorrogação começou, Gardner impediu Karelin de lançar sua marca registrada de levantamento reverso e resistiu ao russo arranhando seu rosto. A cinco segundos do fim, o “invencível” Karelin concedeu. Foi a maior virada da história do wrestling olímpico.

MICHAEL PHELPS, NATAÇÃO

Na final dos 100 metros borboleta nos Jogos de 2008 em Pequim, China, Michael Phelps ficou atrás do sérvio Milorad Cavic por 99,9 metros. Enquanto Cavic deslizava em direção à parede, Phelps passou na próxima pista. Ambos olharam para o placar. Ele mostrou Phelps primeiro. Ele tocou 0,01 segundo à frente!

Se julgado pelas medalhas conquistadas, Phelps pode ser o maior atleta olímpico de todos os tempos. Ele tem 22: 18 de ouro, duas de prata e dois de bronze coletados em 2004, 2008 e 2012. Em 2008, ele ganhou oito medalhas de ouro em oito dias, quebrando o recorde de Spitz.

Um dos maiores desafios surgiu quando seus óculos se encheram de água na borboleta de 200 metros. Incapaz de ver, Phelps teve que contar cada golpe para saber quando acertaria a parede. Ele ainda conseguiu quebrar um recorde mundial.

BILLY MILLS, TRACK E CAMPO

A única pessoa que pensou que Billy Mills venceria a corrida de 10.000 metros em Tóquio em 1964 foi Billy Mills. Nenhum americano chegou perto de vencer a corrida desde que se tornou um evento olímpico em 1912. E ninguém no mundo das corridas tinha ouvido falar de Mills.

O oficial do Corpo de Fuzileiros Navais de herança indígena americana alinhou-se com 38 outros corredores. A pistola de partida disparou. Eles estavam desligados. Na última volta, Mills e Mohammed Gammoudi, da Tunísia, estavam ao lado do australiano Ron Clarke, recordista mundial. Clarke se viu encurralado e empurrou Mills, que quase tropeçou. Gammoudi assumiu a liderança. Então Mills acelerou e passou pelos líderes.

Este “desconhecido” correu 45 segundos mais rápido do que nunca em sua vida, estabelecendo um recorde olímpico e levando para casa a primeira e única medalha de ouro para os EUA no evento.

SEU MOMENTO OLÍMPICO FAVORITO DE VERÃO?

Perdemos seu momento favorito das Olimpíadas de Verão da equipe dos EUA? Conte-nos sobre isso nos comentários abaixo.