Como Tom Hagen, um não siciliano, se tornou consigliori em O Poderoso Chefão?

Quando me pergunto como Tom Hagen do Poderoso Chefão poderia ser feito consigliere, a resposta é simplesmente que, na vida real, ele não poderia. Pode parecer controverso dizer isso, mas os sicilianos daquela época protegiam ferozmente quem traziam para seu círculo íntimo da máfia, e pensar que um indivíduo alemão-irlandês seria aceito para tal papel era simplesmente desconhecido, especialmente porque Tom não podia nem mesmo se tornar um homem feito, já que sua linhagem não datava do velho país. Mas, de um ponto de vista fictício, fazia sentido, considerando que Don Vito havia criado Tom durante grande parte de sua vida e o acolheu como um filho, ensinando-o e garantindo que Tom se tornasse uma parte da família de confiança. Vito cresceu tendo que ganhar tudo o que ganhava e queria algo diferente para os filhos e, claro, como Tom era considerado um de seus filhos, ele queria que aprendesse o máximo que pudesse, o que significa que queria Tom para se tornar um advogado, para aprimorar sua inteligência e para se tornar alguém em quem ele pudesse depender para qualquer coisa. A única coisa é que Tom não era siciliano, como já foi mencionado, o que significa que ele não nasceu com e não cultivou a suspeita crescente de que o resto da família, exceto talvez Sonny, tinha em abundância. Na verdade, é provável que Fredo também não tivesse, já que ele era bastante simples e não tinha muita ambição de fazer muito mais do que se divertir com a vida. Connie tinha, mas veio muito mais tarde, depois que sua ingenuidade finalmente se dissipou.

Mas Tom também era alguém que atrairia muitos espectadores, já que, mesmo décadas atrás, as pessoas ainda desconfiavam umas das outras, e se este filme apresentasse apenas italianos, acreditava-se que não haveria pontos de vista opostos o suficiente para tenho feito isso bem. Em outras palavras, Tom foi jogado como uma anomalia e alguém que poderia dar um toque um pouco diferente a toda a mentalidade do cinema mob. Para ser real, ele não era o melhor consigliere disponível, já que recomendava cautela, e foi sábio fazê-lo quando Sonny assumiu, já que o irmão mais velho Corleone teria alegremente iniciado uma guerra com as outras famílias, o que teria enterrado os Corleone. Mas a queda disso foi que Tom foi todo cauteloso e muito pouca ação, e ele estava até mesmo pronto para entrar com Sollozzo no tráfico de drogas, já que havia muito dinheiro a ganhar, mas Don Vito rejeitou o negócio, afirmando que seria muito problema. Tom Hagen não era um homem mau, e ele não era um consigliere horrível, mas sua compaixão e sua necessidade de cautela teriam sido o fim dele em algum ponto se não fosse pelo resto de sua família, já que ele não era o tipo de cara para ir para a guerra sem um bom motivo. Ele tinha que planejar as coisas, ele precisava de uma razão para tudo, e isso está muito bem. Mas quando Don Vito estava no hospital após uma tentativa fracassada de assassinato e Sonny estava no comando, ele precisava ser muito mais decisivo, e isso simplesmente não era quem ele era.

Não foi uma grande surpresa quando Michael removeu Tom da posição de consigliere sobre a decisão de Don Corleone de renunciar, mas foi um tapa na cara de alguém que Tom via como irmão por tanto tempo. A verdade é que Tom não conseguia puxar o gatilho, figurativamente falando, quando precisava. Além disso, ele nem mesmo foi capaz de identificar o traidor da família, já que Vito e Michael foram capazes de fazer isso com bastante facilidade. Pode-se dizer que Tom confiava demais e não possuía os mesmos instintos que os outros, mas também se podia dizer que, como pacificador da família, sua mente simplesmente não funcionava dessa forma. Ele estava sempre procurando uma saída para uma discussão ou disputa e estava tentando fazer coisas que gerassem menos sangue, já que era meio óbvio que Tom não ligava muito para confrontos. Mas como parte da família e alguém em quem se podia confiar para fazer as coisas quando havia um plano em vigor, Tom era definitivamente um daqueles que podiam fazer as coisas acontecerem. Mas na vida real, ver qualquer pessoa que não fosse siciliana como consigliere da máfia não aconteceria para ninguém, já que não apenas estavam preocupados com a infiltração em sua organização, mas também eram ferozmente leais às suas próprias linhagens.