Crítica do episódio 12 da primeira temporada de Gotham: “O que o passarinho disse a ele”

Com um título como 'O que o passarinho disse a ele', episódio da noite passada de Gotham foi surpreendente em mais de um aspecto, continuou exatamente de onde a série parou no episódio anterior.

Como esta era a parte 2 do arco “Electrocutioner”, achei esta parcela mais divertida e progressiva de uma forma que eu esperava que fosse a estreia de inverno. Desde o último episódio, tenho feito algumas leituras sobre Electrocutioner dos quadrinhos e, como esperado, ele não tem uma história muito longa no universo DC. No entanto, gostei mais de Christopher Heyerdahl desta vez, embora tivesse sido melhor ter usado esse ator para um personagem DC / Batman maior no futuro. Além de ser capaz de causar medo de vez em quando e algumas explosões eletrizantes, não havia muito nesse personagem.

Embora houvesse várias histórias sendo jogadas neste episódio, eles tinham um tema compartilhado que era “poder” e ter controle. Vemos Gordon tendo uma luta de poder com um novo personagem famoso do Batman, a Comissária Gillian Loeb, enquanto ele consegue fazer um acordo para ser reintegrado como GCPD se conseguir trazer Gruber em 24 horas. O confronto em si não foi o que eu esperava, mas ver Gruber sendo capaz de mexer com a cabeça de Gordon foi forte. No entanto, era muito risível que a maneira como Gordon foi capaz de derrubar o vilão foi com um copo d'água no equipamento de Gruber. O mais alegre teria sido se Gruber tivesse gritado 'Estou derretendo!' mas tenho certeza de que uma certa bruxa verde lá fora não acharia isso perverso.

A estrela deste episódio foi ninguém menos que Carmine Falcone, que continua a se tornar um dos personagens mais atraentes da série. Fish decidiu agir nesse episódio e “sequestrou” Liza como uma forma de fazer Falcone prometer que ela deixaria Gotham City, bem como entregar a liderança da cidade para ela. Uma coisa que foi surpreendentemente perturbadora neste episódio foi Oswald, e esta pode ser a primeira vez em toda a série até agora que fiquei irritado com ele. Não foi a atuação de Robin Lord Taylor que foi o problema, mas foi como o personagem foi escrito desta vez.

Alguém está ficando um pouco cansado doGothamtendência dos escritores de ter Oswald apenas como um saco de pancadas vivo em quase todos os episódios? Parece que toda vez que o vemos, ele tem um olho roxo ou hematomas no rosto, ou apenas parece completamente destruído, o que o ajudará a se tornar o homem poderoso que também está destinado. No entanto, falando de forma realista, como alguém ainda continua em pé depois de tantos ferimentos? Independentemente disso, ele não era alguém de quem gostei muito na noite passada, embora pelo menos eu pudesse tolerar seus momentos de fraqueza em comparação com Barbara, que teve talvez uma das cenas familiares mais estranhas de todos os tempos.

Mesmo que vimos Oswald contar a Falcone sobre o plano de Fish desde o início, ainda foi uma grande surpresa ver que Falcone não decidiu deixar Fish 'vencer' por enquanto. A série continua a intensificar episódio a episódio e a maneira como eles terminaram com Fish and Butch sendo levados por Falcone deve / irá abrir portas ainda mais interessantes para o resto da temporada. No geral, este foi um episódio de acompanhamento muito forte e uma maneira satisfatória de ver Gordon retornar ao GCPD, bem como a próxima etapa na batalha de Fish e Falcone.

Gotham vai ao ar nas noites de segunda-feira, 8 / 7c na FOX.

[Foto via FOX]