Cinco coisas que você não sabia sobre o Trace Lysette

Uma transgênero assumida, Trace Lysette é uma atriz americana. Muitos a conhecem por seu papel como Shea emTransparente, uma educadora trans, amiga e professora de ioga. Ela, no entanto, não é nova na tela, já que apareceu em alguns programas comoLei e Ordem, Unidade de Vítimas Especiais, A Maldição da Mulher Fuentes, Crônicas da Cafeteria, Conversa Franca, História da Bêbada e eu sou Cait.Ela foi uma atleta de atletismo no final da adolescência e também se apresentou em bares em Ohio. Ela é a segunda pessoa a sair e acusar Jeffrey Tambor de má conduta sexual. Antes de sua carreira de atriz, ela já trabalhou como maquiadora e cabeleireira. Algumas das coisas que você pode não saber sobre a atriz incluem:

Ela gritou com a voz rouca

Trace enquanto filmava uma cena em Transparent em temperaturas congelantes, uma vez que ficou rouca. Ela estava filmando uma cena traumática que recebeu gritos de figuras públicas como Laverne Cox e Sia. Mais importante ainda, resultou em um empurrão dirigido pelo espectador que lhe rendeu um aceno de cabeça Emmy.

Trace Lysette teve uma infância difícil

Crescendo em Dayton, OH, sua infância não foi tão animada. Em entrevista, ela afirmou não ser a região mais acolhedora. Ela teve muitos voos quando estava no colégio. Enquanto estava no primeiro ano, ela teve que mudar de escola após a suspensão. O motivo foi que ela se defendeu de alguém que a chamou de mau nome e acabou nocauteando-o na aula de inglês.

Anciãos a aconselharam a conseguir um Sugar Daddy

Enquanto morava em Nova York, ela atingiu o fundo do poço por causa do processo de transição de homem para mulher. Ela disse que abandonou muitos de seus talentos alegando que estava presa na vaidade de tudo isso. Em algum momento, os mais velhos estavam tentando convencê-la de que ela precisava arranjar um pai de açúcar e ser passável, dizendo que seu corpo era seu único recurso.

Lysette trabalhou como stripper por oito anos

Trace perdeu o emprego na Bloomingdale porque não tinha permissão para usar o banheiro feminino. Isso a levou a se tornar uma menina trabalhadora na aldeia antes de fazer uma cirurgia de fundo na Tailândia. Depois disso, ela decidiu usar sua passabilidade e fez um teste para trabalhar em clubes de strip. Ela estava se despindo em Manhattan por oito anos. Ela estava dançando para CEOs, jogadores de beisebol e caras do bairro também. Ela relatou que não era o melhor lugar para revelar que era trans. No trabalho, ela entrou no personagem monitorando seus maneirismos e gírias e nem mesmo disse às pessoas seu nome verdadeiro. Depois de um rompimento ruim com o namorado, ela cortou os pulsos uma noite depois de sair do clube. O incidente a fez ficar na ala psiquiátrica do Hospital Bellevue por algum tempo. Saindo, ela decidiu que queria encontrar seu talento em atuar novamente, desta vez como uma mulher. Foi depois que sua amiga a lembrou de que ela tinha muito potencial e que precisava voltar a atuar.

Trace está trabalhando em uma produção própria

Trace Lysette quer lançar um filme que ela chamou de Tribe. É um piloto POC e queer que é um reflexo de seus amigos e de sua experiência pessoal na casa dos 20 anos no Brooklyn e no Harlem. Ela, no entanto, confirma que tem sido uma venda difícil e que ainda está no mercado em busca da rede certa para finalmente conseguir fazer isso.