Fugindo da poligamia: cinco coisas que você não sabia sobre o A&E Show

A série 'Escaping Polygamy' da A&E Network é basicamente uma série baseada na realidade que nos leva a uma jornada de como é estar preso dentro de um estilo de vida polígamo, além de mostrar os efeitos prejudiciais que isso tem sobre a vida daqueles que escapar e tentar ter uma vida normal do lado de fora. É uma tentativa honesta de alertar o mundo sobre os perigos para aqueles que se encontram lá dentro.

Aqui estão cinco coisas que você não sabia sobre o programa.

1. Escapar é difícil

Yolanda Barlow sabia que seria difícil escapar da situação em que se encontrava com a Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Ela passou toda a sua vida, desde o nascimento até o momento em que decidiu deixar a organização. Ela se vestiu conforme as instruções dos membros da igreja e também viveu sua vida de acordo com suas regras. Partir significava que ela precisaria mudar sua vida e que ela não teria mais o apoio das pessoas que uma vez a cercaram. Eles não aceitam bem as pessoas que deixam o rebanho e não medem esforços para mantê-los firmemente enraizados na doutrina.

2. A vida do lado de fora pode ser muito mais difícil

Yolanda compartilhou que, uma vez que ela estava no mundo, demorou um pouco para se adaptar. Ela tinha muito que aprender, e socializar-se com não membros da igreja era uma delas. Ser tímida e reservada não a ajudou a encontrar um emprego e se adaptar às novas pessoas que estavam ao seu redor. A vida do lado de fora foi um choque total para ela. Ela mudou seu estilo de vestir e com o tempo aprendeu a se encaixar melhor com os outros, mas foi um desafio definitivo.

3. Mostra-nos a horrível verdade sobre as práticas do Clã Kingston

O programa não condena abertamente a prática da poligamia em todas as situações, mas aborda o que está acontecendo no Clã Kingston. O incesto e o abuso criminoso são excessivos. Ser forçado a se casar com um parente não é algo que deveria acontecer a ninguém, especialmente a uma criança de oito anos.

A lavagem cerebral que ocorre é tão extrema que os pais realmente firmam contratos com outros homens adultos ou famílias para dar seus filhos em casamento. As filhas não têm voz sobre com quem vão se casar, e geralmente há outras esposas que já foram casadas com homens que podem ser décadas mais velhos. Eles violam as leis do país, mas tentam mantê-la escondida da aplicação da lei. Membros de sua religião não têm permissão para falar com ninguém que esteja fora de sua religião.

4. Este programa é o oposto de “esposas irmãs”

Enquanto o programa “Sister Wives” mostra como várias esposas fazem funcionar com um único marido, “Escaping Polygamy” é exatamente o oposto. É um documentário sobre mulheres que desejam desesperadamente sair da situação para não serem forçadas a se casar ou ficar com um marido que tem várias esposas.

5. O programa educa as pessoas que estão presas nesta situação

Jessica, Andrea e Shanell que aparecem no programa são todas sobre ajudar mulheres que querem sair de situações polígamas. Todas as três meninas se entrincheiraram neste modo de vida e todas encontraram uma saída. Seu objetivo é oferecer ajuda às mulheres que desejam fugir também. O objetivo deles é salvar o máximo possível e a série é um bom começo. Embora seja verdade que muitas mulheres presas à poligamia não têm acesso à televisão ou outros tipos de mídia, quando procuram ajuda ou uma saída, podem entrar em contato com alguém que conheça sua situação e que irá ajudá-los. Muitas das pessoas nessas famílias estão realmente desesperadas para sair. Existem incidentes de abuso, estupro e isolamento que constituem atos criminosos, mas quando você é criado nesta situação, é difícil saber onde pedir ajuda ou como sair.