Superstições loucas e incomuns de atletas profissionais

Muitas pessoas são supersticiosas - não passe por baixo dessa escada ou quebre um espelho! - mas poucos grupos são tão supersticiosos quanto os atletas. Muitos atletas usam o pensamento mágico para ajudá-los a ter um bom desempenho ou a sair de uma crise. Aqui está uma olhada em algumas superstições entre os profissionais.

CALÇAS E PILHAS

lucky-1

Atletas de todos os esportes são supersticiosos em relação a roupas. Por exemplo, o grande basquete Michael Jordan usou seus shorts da University of North Carolina sob o uniforme enquanto liderava o Chicago Bulls em seis campeonatos da National Basketball Association. O arremessador do Hall da Fama do Baltimore Orioles, Jim Palmer, por outro lado, tinha um ritual antes do jogo de comer panquecas no café da manhã. Seus companheiros de equipe até começaram a chamá-lo de 'Bolos'.

BASES, BASTÕES E O BABE

sorte-2

Os jogadores da Liga Principal de Beisebol são notoriamente supersticiosos. O lendário Babe Ruth fez questão de pisar na segunda base toda vez que ele veio do campo certo. Se ele esquecesse, ele iria correr e chutá-lo antes do próximo meio-inning começar. Ruth também era supersticioso com seus tacos, recusando-se a deixar que os companheiros pegassem um emprestado porque acreditava que cada taco servia apenas para um certo número de rebatidas.

MAIS BATTINESS DE BEISEBOL

O Yankee de Nova York Joe DiMaggio se sentia compelido a tocar na segunda base sempre que corria para sua posição de campo. O arremessador de alívio Turk Wendell, que jogou pelo New York Mets, Chicago Cubs e Colorado Rockies, saltou sobre as linhas de base ao caminhar para o monte e mascou alcaçuz preto durante o lançamento, depois escovou os dentes entre as entradas. Evitar pisar em linhas de falta é outra superstição comum entre os jogadores.

WHISKERED WIMBLEDON WONDER

sorte-3

A superestrela do tênis Björn Borg não era conhecida por ser especialmente supersticiosa - até que chegou a Wimbledon. Ele tradicionalmente se preparava para a grande competição deixando crescer uma barba da sorte e vestindo a mesma camisa Fila. Ria o quanto quiser - Borg ganhou cinco títulos consecutivos em Wimbledon entre 1976 e 1980.

CAIXAS DE CESTA (BOLA)

sorte-4

O armador Mike Bibby, que jogou pelo New York Knicks e outros times, cortou obsessivamente as unhas quando estava sentado no banco, enquanto Jason Terry, do Milwaukee Bucks, garante boa sorte comendo frango antes de cada jogo e usando cinco pares de meias durante o jogo . O resultado'https: //scoutlife.org/wp-content/uploads/2016/12/lucky-5.jpg 'alt =' lucky-5 '/>

O goleiro da National Hockey League, Patrick Roy, acreditava que falar com as tramas ajudaria a evitar que os jogadores adversários marcassem - e essa não era sua única crença estranha. Ele evitou ativamente tocar todas as linhas no gelo, pulando-as em vez disso. Embora definitivamente peculiar, Roy é considerado um dos maiores goleiros de todos os tempos, com 23 eliminatórias nos playoffs - um recorde da liga.

O TRATAMENTO SILENCIOSO

lucky-6

Os jogadores de beisebol são especialmente supersticiosos quando seu arremessador está lançando um jogo perfeito ou sem rebatidas. Na maioria das vezes, eles ignoram completamente seu lançador por medo de azará-lo. Isso aconteceu com o arremessador dos Yankees, Don Larsen, durante a World Series de 1956 contra o Brooklyn Dodgers: trabalhando para um jogo perfeito no jogo 5, Larsen sentou-se sozinho no banco de reservas entre as entradas porque seus companheiros estavam com medo de falar com ele. Ele disse mais tarde que nunca se sentiu tão só na vida, mas o tratamento silencioso aparentemente funcionou: Larsen lançou o que ainda é o único jogo perfeito na história da World Series e foi o único sem rebatidas pós-temporada até 2010.

RITUAIS DE CORRIDA

sorte-7

Até os motoristas da NASCAR têm superstições incomuns. Por exemplo, é considerado azar dirigir um carro verde ou ter uma nota de $ 50 na carteira quando está ao volante. E amendoins em suas cascas são estritamente proibidos, embora a origem dessa superstição permaneça um mistério. Pode remontar a uma corrida de 1937 em que cinco pilotos bateram depois de espalhar cascas de amendoim em seus veículos.