Crítica negra do episódio 1 da segunda temporada: “A palavra”

Dado Preto O desinteresse geral em se envolver com seus exames culturais em um nível profundo e envolvente em sua primeira temporada, como 'The Word' se desenrola é um sinal extremamente promissor para o show. No entanto, são os ajustes entre as temporadas na fórmula do programa que são ainda mais encorajadores. Em seu cerne,Pretoquer ser um programa que explora as diferenças geracionais em nossa abordagem da identidade racial na cultura americana. Muitas vezes, em sua primeira temporada, isolou essas gerações (ou, no caso da mais velha, nem as apresentou) em histórias diferentes, ignorando tudo, exceto os questionamentos cruzados mais óbvios de pais e filhos. “The Word” é uma abordagem muito mais equilibrada para contar histórias e observação cultural, e faz toda a diferença no sucesso do episódio.

Para a estreia de uma temporada, “The Word” é notavelmente ousado, tanto em seu assunto, quanto nas ideologias que apresenta, conforme explora o uso da “n-word” na cultura de 2015. Quando Jack é suspenso por interpretar a versão explícita de 'Gold Digger' de Kanye West em um show de talentos da escola, ele enfrenta a expulsão sob a política de 'não tolerância' que Bow hilariamente lutou anos antes. Imediatamente, 'The Word' começa a se envolver com as muitas dicotomias nas filosofias individuais de cada um em torno da palavra: Bow acha que ela não tem lugar no mundo, enquanto Dre acha que é importante dizê-la como parte da redefinição da natureza da palavra, e sua os pais se recusam a admitir a frequência com que aparece em seus próprios vocabulários. E, claro, há os colegas brancos de Dre, que não têm ideia de como abordar o assunto.

Na última temporada, isso teria levado a uma onda de raiva de Dre, com toda a regressão imatura e pastelão que veio junto com isso. “A Palavra” tem uma abordagem muito diferente: em vez de Dre, o instigador, “A Palavra” nos oferece Dre, o inquisitivo, e isso faz toda a diferença. O humor flui dos debates que ele tem com colegas de trabalho e familiares, e leva a um monólogo que em muitos outros programas familiares pareceria enfadonho e redutor. Quando Dre diz ao conselho que não faz sentido como Quentin Tarantino pode ganhar Oscars por escrever essa palavra repetidamente, mas o filho de Dre de oito anos pode ser expulso por um acidente durante uma apresentação musical, a apresentação de Anthony Anderson o transforma em um das melhores cenas do show.

Essa cena fala para algo além de apenas o debate de “n palavras”: ela fala para as inadequações de julgamento enfrentadas todos os dias por aqueles neste país que se encontram em minoria em qualquer situação. O debate em que Dre se encontra com seus pais, colegas e membros do conselho escolar é realmente uma porta de entrada para uma observação muito mais ampla sobre a sociedade, e como pode ser difícil encontrar a verdade simples quando centenas de anos de história feia e complicados não escritos as regras obscurecem um problema. Regras definidas pela cultura branca, devo acrescentar, e como Dre considera essa distinção importante, ele oferece, sem dúvida, o exame cultural mais eficazPretojá ofereceu, um que vem sem as complicações normais ou 'hilaridade' sem sentido que a primeira temporada tentou temperar as cenas.

Há um tempo para o humor, é claro, e quando “The Word” não está checando Júnior coxo ou uma Zoey completamente desinteressada, é um episódio que oferece muita hilaridade com suas observações pungentes, aumentando a realidade em que a série vive , sem baratear os pontos que pretende fazer sobre a desigualdade racial. E encontra aqueles justapondo gerações e raças umas contra as outras. Em vez de envolver os personagens em cenas feias e raivosas sobre raça,Pretolembra que ainda é uma comédia - apenas não aquela que precisa se prejudicar ao transformar Dre em um lunático idiota no processo (faz isso um pouco com Bow, mas Tracee Ellis Ross está mais equipada para tornar este material divertido e cativante, em vez do que ralar).

“A Palavra” abrePretoa segunda temporada de uma nota extremamente alta, e não é apenas por causa do ressurgimento de Laurence Fishburne como um membro do elenco principal (mas cara, Pops equilibra o personagem over-the-top de Ruby; isso por si só torna este episódio mais assistível do que na temporada passada). “The Word” oferece um vislumbre de umPretoque quer ser algo mais, que quer se envolver com as complexidades difíceis da dinâmica racial moderna, desenterrando verdades simples e injustiças, enquanto ainda permanece uma divertida, divertida - e não enfadonha - comédia familiar. Essa é uma tarefa difícil, mas com um enredo simplificado, desenvolvimento conciso do personagem e uma linha de pensamento clara, 'A Palavra' espero representar um novo plano para a próxima temporada.

Outros pensamentos / observações:

  • O flashback de “30 segundos atrás” foi matador. Entrega hilariante de Jenifer Lewis, que diminui o tom de rubi de sua performance em 10% necessários neste episódio.
  • A história de Junior é idiota, mas ele entrar no chuveiro com Dre é uma bagunça.
  • O Sr. Stevens gastando US $ 500.000 para dizer 'United Negro Fund' é uma grande representação de como a cultura branca desesperadamente quer usar 'a palavra' novamente.
  • 'Big Pun, Fat Joe pode ... Na verdade, todo o Terror Squad pode dizer isso.'
  • Charlie puxando uma arma ao ouvir a palavra “de cor” é o tipo de humor absurdo com o qual posso entrar a bordo.
  • Bem vindo de volta aPretoavaliações! Apesar das minhas frustrações com a última temporada, tenho grandes esperanças para o segundo esforço deste programa.

[Crédito da foto: Kelsey McNeal / ABC]