10 coisas que você não sabia sobre a sala de aula da elite

A sala de aula da elitecomeçou como uma série de novelas leves, que desde então recebeu um mangá, bem como um anime que foi trazido para o oeste via Crunchyroll. Para os curiosos, é voltado para uma turma cheia de alunos problemáticos em uma escola do futuro próximo que funciona de uma maneira que a maioria das pessoas consideraria um tanto severa, com o objetivo de formar as pessoas que serão responsáveis pelo futuro do Japão. Aqui estão 10 coisas que você pode ou não saber sobre A Sala de Aula da Elite:

1. O título não é uma tradução individual

A Sala de Aula da Elite não é uma tradução individual do título em japonês, que se traduz em algo parecido com 'Bem-vindo à Sala de Aula da Doutrina da Suprema Habilidade'. Isso não é uma ocorrência incomum em traduções porque o que parece certo em um idioma pode não soar certo em outro.

2. Situado em um futuro próximo

No geral, The Classroom of the Elite é uma daquelas histórias que se passam no futuro, mas não tanto que o cenário se torne irreconhecível. Dada a sua premissa, isso faz sentido porque mudar muito teria amortecido um pouco de seu impacto narrativo.

3. Narrador não confiável

O personagem principal Ayanokoji Kiyotaka é considerado um exemplo de narrador não confiável. Em parte, isso ocorre porque há partes de seu background que não combinam com a imagem que ele apresenta aos leitores. No entanto, também deve ser notado que ele não está acima de falar mentiras.

4. Kiyotaka é ruim em fingir ser mediana

Falando nisso, Kiyotaka é muito ruim em fingir ser mediano. Afinal, é perfeitamente possível que alguém se mostre anormal por ser muito normal, como mostram seus 50 anos em todas as disciplinas acadêmicas.

5. Mantém uma posição bastante cínica

Kiyotake defende a posição de que igualdade não é uma coisa que existe. Isso é algo compartilhado pela série, embora seja bastante complicado do que a abordagem darwinista social dessa premissa específica.

6. Não é exatamente um protagonista do LN em estoque

Em muitos aspectos, Kiyotaka se assemelha a um protagonista original do LN. Por exemplo, ele é uma pessoa aparentemente comum com habilidades extraordinárias que atrai o interesse de várias mulheres. No entanto, ele não é exatamente um protagonista padrão da LN, como mostrado pelo fato de que ele deliberadamente age de maneira a atrair as pessoas para que seja mais fácil de manipular. No geral, Kiyotaka é um personagem egoísta, o que é exatamente o oposto do que se esperaria de um protagonista de estoque do LN.

7. Aquece um pouco

Talvez sem surpresa, uma boa parte do arco narrativo de Kiyotaka é focado nele se aquecendo com outras pessoas até certo ponto. No entanto, a narrativa está longe de ser um deslizamento simples e direto de uma posição para outra no espectro, como mostra o fato de que ele ainda vê a maioria das pessoas como nada mais do que ferramentas, mesmo quando começa a chamar a atenção de algumas pessoas que lhe interessam cerca de.

8. Horikita Suzune também não é uma personagem comum

De várias maneiras, Horitaka Suzune parece um exemplo de yamato nadeshiko, que pode ser considerada uma versão japonesa da mulher ideal que aparece muito na anime e em suas formas de mídia afiliadas. Na prática, bem, basta dizer que seus traços mais positivos estão combinados com problemas incapacitantes, como seu desprezo por pessoas normais, que é tão ruim que ela nem consegue se comunicar com eles de maneira significativa.

9. Tem um relacionamento complicado com Kiyotaka

No LN, Suzune tem um relacionamento complicado com Kiyotaka que tem uma boa dose de hostilidade misturada a ele. Infelizmente, o anime tem uma abordagem mais padrão, com o resultado de que eles são um casal romântico popular tanto dentro quanto fora da série. Algo que talvez não seja surpreendente, considerando os problemas de comunicação de Suzune.

10. Às vezes, um pouco fiel demais à vida

A escola da série mantém suas pontuações altas expulsando alunos de baixo desempenho. Infelizmente, isso é algo que acontece na vida real, o que é mais um motivo para as pessoas se lembrarem de olhar para o contexto completo ao ler as estatísticas.